Não li e indico: ‘A maçã envenenada’, de Michel Laub

A maçã envenenada, novo romance do autor gaúcho Michel Laub, só chega às livrarias em agosto. Mas desde já, em julho, me adianto em indicar como boa leitura depois de ler este trecho aqui publicado na Folha de São Paulo do último domingo e também por conhecer um pouco da obra publicada do autor.

Michel Laub é um dos grandes expoentes da literatura contemporânea brasileira e um de meus escritores contemporâneos favoritos.

Conheci Michel Laub lendo Diário da Queda, uma das leituras mais enriquecedoras que já fiz. Diário foi escrito em tópicos, como um diário de um adolescente. Os tópicos duram cerca de um parágrafo ou pouco mais, e se dividem em partes intituladas Algumas coisas que sei sobre meu avô, Algumas coisas que sei sobre meu pai, para citar alguns exemplos. Então, nesta fôrma, Michel Laub deposita, em primeira pessoa, uma história sobre culpas relacionadas a um acidente – uma queda – com um colega numa festa de aniversário do personagem principal quando este era ainda um garoto de 13 anos.

Mas a história não é sobre o garoto, ou sobre o acidente, apenas. Na verdade, o acidente é a explicação para as consequências que foram colhidas por ele na juventude e vida adulta. O livro, então, passa a retratar uma história sobre identidade, memória, afeto e perda.

Cada parte da história traz um fragmento de várias outras: a história do pai do garoto e também do avô dele, que fora prisioneiro em Auschwitz. As histórias se perpassam, se explicam. Pincelam um pouco da história do próprio Michel, que tem origem judaica. A escrita topicada do autor dá ritmo ao texto e as 150 páginas dele se esvaem ligeiras, deixando saudades.

[+] Diário da Queda recebeu o prêmio Brasília de Literatura na categoria romance em 2012, além do prêmio Bravo! de melhor romance no mesmo ano. Também foi indicado ao prêmio Portugal Telecom naquele ano.

[+] Michel foi premiado já com seu primeiro romance, Música Anterior, com o prêmio Érico Veríssimo da União Brasileira de Escritores na categoria revelação.

[+] Obras publicadas de Michel Laub

Não depois do que aconteceu – contos (1998)

Música anterior (2001)

Longe da água (2004)

O segundo tempo (2006)

O gato diz adeus (2009)

Diário da queda (2011)

[+] Michel Laub foi um dos 20 escritores selecionados pela revista britânica Granta, que teve sua primeira edição brasileira no ano passado. A revista seleciona textos de escritores que “darão uma espécie de norte” à literatura nacional contemporânea. Michel abre a revista, que pode ser encontrada à venda na Livraria Cultura, com o conto Animais.

[+] O autor tem presença online no Twitter e neste blog. O blog é excelente: traz sempre boas dicas de filmes, livros, músicas, bons links pra clicar e claro, textos do Laub pra ler.

[+] Michel também é colunista da Folha de São Paulo. Escreve quinzenalmente, sempre às sextas, no caderno Ilustrada. Pode também ser lido na Folha Online.

[+] Um pouco mais do escritor:

Anúncios

Um comentário sobre “Não li e indico: ‘A maçã envenenada’, de Michel Laub

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s